Uma boa menina

Quando eu era pequena costumava sempre andar acompanhada. Mas quando passei a caminhar sozinha sempre me diziam para não falar com estranhos e ir direto pra casa. Ah, eu tentei ser uma boa menina. Tentei fazer tudo que me diziam pra fazer, mas havia algo dentro de mim que me impedia.  Juro que tentei ser boazinha.Me disseram que o príncipe seria a pessoa certa pra mim, e por um tempo eu acreditei nisso. Eu ouvia falar sobre os lobos maus que andavam por ai.

 Que arrancavam os corações das meninas e os partiam ao meio sem dó nem piedade. Eu devia ter medo, mas de alguma forma bizarra eu não tinha.  Sabe aquela coisa de ser sempre do contra? Exatamente! Lá estava eu, andando sozinha por lugares desconhecidos quando dei de cara com aqueles grandes olhos sedutores. Eu não pude olhar pro outro lado. Ele era mau e envolvente. Ele agia e eu reagia. Ah, eu sabia o que ele era, sabia porque já tinha ouvido muito falar dele. Mas eu não ligava para nenhuma daquelas palavras já ditas. As histórias aterrorizavam as meninas que sonhavam em ser felizes ao lado dos caras que pudessem dar a elas a tão sonhada vida perfeita. Mas eu não queria uma vida perfeita, eu queria uma vida cheia de sensações diferentes, uma vida em que eu pudesse arriscar, quebrar regras e fugir da rotina.



Eu sei que boas meninas não deviam caminhar por ai sozinhas, não deviam conversar com estranhos, desobedecer, quebrar regras ou sorrir para aquele lindo lobo.Mas desde que comecei a ver por trás daqueles lindos olhos sedutores, ele conseguia me fazer ser sempre desobediente. Ele me levou para lugares que jamais pensei em conhecer mas que sempre sonhei. Ele tirou todos as minhas defesas, pegou em minhas mãos e me puxou para junto dele, me disse para não temer pois ele me protegeria.

 Então eu fechei os olhos, coloquei minha capa sobre a cabeça e mergulhei nesse sentimento sem pensar muito nas consequências. Entreguei meu coração na mão desse lobo sedutor que me jurou que não faria o que os boatos que corriam por ai diziam. Que não partiria meu coração em mil pedaços, que não arrancaria lágrimas dos meus olhos, mas que principalmente não mentiria pra mim. Somente ele me entendia, ele me encarava com aqueles olhos castanhos e eu somente eu podia entende-lo, eu podia segui-lo, ir embora desse lugar e nunca mais voltar. Porque isso que eu queria. Ser livre, ser eu mesma e ele me permitia isso. Não importava se pra isso ele não seguia as regras. Ele era o meu lobo. Quebrava as regras, ia contra o que todo mundo pensava. Mas era o que o meu coração exatamente precisava.

Inspirado no filme " a garota da capa vermelha " e no conto da " chapeuzinho vermelho"

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.