Resenha de Livro: Apaixonada por Você


Livro: Apaixonada por Você
Autora: A.C Meyer
Ano: 2015
Páginas: 272
Editora: Universo dos Livros
Nota: 2,5 de 5

Se você acompanha o blog, com certeza deve ter lido a resenha do primeiro livro dessa série. Pra quem não sabe, Apaixonada por Você é o segundo livro da série " After Dark" com foco em Jo e Zach. O primeiro livro " Louca por você" teve o foco em Julie e Daniel. Como vocês puderam ler na primeira resenha, eu listei muitos pontos negativos da mesma e torci para que o segundo livro fosse melhor nesses pontos que me incomodaram durante o primeiro livro. Porém não foi bem isso que aconteceu. Calma, muita calma. Se você é fã da série de livros já peço desculpas, mas como disse inúmeras vezes preciso ser bem sincera com vocês apesar de o livro ser nacional. Apaixonada por você tem um foco em Johanna (irmã de Daniel) e Zach( amigo de Daniel). O enredo é muito simples, eles se conhecem em uma festa e acabam começando a sair. Isso vai continuando por 3 anos, escondidos de todo mundo em um lance sem nome já que Jo morre de medo de que seu irmão Daniel descubra que ela está envolvida com o melhor amigo. E é só isso o enredo. Ai eles ficam naquela de "vamos contar" e ela diz " ah não" e ele diz " se não contar não quero mais" e etc.


Acho que vocês já notaram que eu não tive muita paciência pra esse livro também não, já que a autora pegou dois personagens diferentes pra contar a sua história e em vez de trazer algo mais profundo deixou tudo totalmente clichê e ainda mais bobo que o primeiro livro. Me perguntei o tempo todo quantos anos a Jo tinha pra ficar naquela de " ai não vou contar pro meu irmão senão ele mata o Zach". Poxa, quantos anos ela tem? 15 anos? E lá vem de novo aquela mania da autora de descrever ações de personagens adultos como se fossem adolescentes. Como uma mulher formada, com emprego e bem resolvida esconde de todo mundo um relacionamento de 3 anos por causa do medo do irmão? Tudo bem que Zach é o melhor amigo de Daniel, mas não faz sentido nenhum. Da forma que foi inserida na história, esse elemento pareceu extremamente bobo. Uma mulher daquela com medo do irmão? Ela é dona do nariz dela, ganha por isso e se envolve com quem quiser. Pareceu uma adolescente nata e não uma adulta. Zach também é bem imaturo, já que concordou e deixou a menina esconder isso por 3 anos ao invés de coloca-la antes na parede ou contar logo ao irmão. E o que era tão terrível assim que Daniel poderia fazer? Ela descreve ele como um assassino psicótico. A coisa que mais me irritou é que não tem nada que te faça prender a história desse casal. Tirando essa parte em que ele pressiona ela pra assumir não tem mais nada ali. Páginas e páginas de acontecimentos que não acrescentam em nada para construir a história do casal ou para entreter o leitor. 


A autora continua a deixar os personagens rasos, e não consegue se aprofundar neles. Ela não amadurece os mesmos e insisti em colocar outros personagens no meio. Eu entendo que a série aborda vários casais e que eles estão interligados no mesmo universo, já li livros assim. Porém a autora coloca visão de personagens que já passaram, ainda vão vir ou personagens irrelevantes pra história e acaba se esquecendo de trabalhar no casal que é foco desse livro. Sim, ela poderia inserir os personagens que passaram e os dos próximos livros em alguns acontecimentos, isso é bem normal de se fazer, mas o jeito que foi escrito focado em outros casais depois voltando pra esse casal, colocando acontecimentos desnecessários que nem tinha muita conexão para o momento que o livro estava deixou tudo muito frustrante. Não consegui gostar de Zach, nem de Jo, me incomodei demais com a insistência da autora em ressaltar o George, como um personagem hilário e melhor amigo de uma garota. Alguns personagens são engraçados,leves e divertidos sem precisar forçar tanto, mas a autora parece querer de qualquer jeito que esse personagem vingue. 


 O livro que é narrado por ambos, não melhorou. A autora tinha inúmeras possibilidades novas com personagens diferentes e poderia ter aprofundado, ter prestado atenção na história dos dois ou ter se preocupado em criar um laço em algum momento com o leitor. Mas a história passou sem nenhum ponto alto, com a inserção de visões de personagens que falam sobre si mesmos ou descrevem cenas que não tem a ver com o casal do livro deixando você impaciente ou até entediada. Quase que não consigo terminar esse livro, em parte pela decepção de não ter melhorado nada e outra parte por acreditar que a autora poderia ter feito mais. É uma pena mesmo. Depois desse segundo livro, acredito que vai ser difícil fazer com que eu goste dos próximos porque algumas manias da autora já estão repetitivas, como o uso excessivo de apelidos dos personagens, ações que não condizem com os mesmos, acontecimentos que não acrescentam em nada pra história, falta de foco no casal.  


Não me agradou, não me fez apaixonar apenas passou reto sem nenhum ponto alto. Imaginava outra coisa totalmente diferente da série e posso dizer que estou bastante decepcionada. Os livros mais leves, eróticos ou até os livros narrados por dois personagens que já li são bem melhores que esses. Não entendi e ainda não entendo certas decisões do enredo e confesso que estou muito frustrada. A escrita é relativamente melhor do que no primeiro em alguns aspectos. Enfim, não tenho muito mais a dizer sobre essa série. Só espero que os dois últimos livros tenham uma impressão melhor pra mim porque os dois primeiros não funcionaram.















 Depois do emocionante romance entre Julie e Daniel em Louca por você, chegou a vez de conhecermos a história de Johanna e Zach. Ela é uma advogada que trabalha para artistas. Ele, um empresário de muito estilo - sócio e melhor amigo do irmão dela. Quando a paixão dos dois esquenta, surge um impasse: ele quer assumir a relação para todo mundo, mas ela tem medo da possível reação de seu irmão Danny, que confia muito em Zach. Será que Johanna, essa mulher tão decidida e independente, conseguirá não magoar seu cobiçado "senhor Delícia"? E será que Zach, para assumir o relacionamento, vai amolecer o coração do amigo Danny, que agora será papai? A.C. Meyer mora no Rio de Janeiro e é viciada em livros. Com sua mente inquieta, decidiu escrever seus próprios finais felizes. Ela tem a fórmula certa do sucesso para o gênero new adult. Mesclando diversão e romance, atinge o tom das comédias românticas que encantam do começo ao fim. Louca por você, seu romance de estreia, foi um sucesso entre as leitoras. Apaixonada por você promete mais romance e intensidade.



Vírgulas, reticências e pontos finais

Ultimamente tenho me afastado de certas coisas pra pensar. Eu penso, penso e penso, e ai faço uma retrospectiva dos últimos momentos que vivi. Quando me perguntam digo que eu estou em alguma tipo de crise existencial infinita. Eu nem sei se isso que está acontecendo, mas o que mais seria? Estou questionando tudo sobre minha vida. Será que fiz as escolhas certas? Por que a maioria dos meus objetivos não se concretizou? E toda essa crise infinita reflete nas minhas ações. Só dá vontade de ficar na cama o tempo todo fazendo nada e as vezes pensando em nada. Imaginando coisas que nunca aconteceriam. É mais fácil deixar as coisas acontecerem por si só do que tomar decisões. Afinal, tem um certo tempo que as coisas não correm exatamente bem. Quando meus olhos se abrem de manhã eu só torço para que o dia passe bem depressa. Toda manhã eu torço pra alguma coisa aconteça, qualquer coisa. Algo que me tire dessa rotina que eu vivencio. Algo que me deixe mais animada ou que afaste minha mente desse pesadelo de dúvidas. Mas a maioria dos dias nada acontece, e eu nem sei se eu realmente mereço que alguma coisa diferente aconteça. 


Quando as coisas vem dado errado em uma série interminável de dias você se pergunta o que exatamente está fazendo. E quando não tem a resposta, ou não acha nenhum erro o único pensamento que se passa pela cabeça é se você não está fadada ao fracasso. Eu não to sabendo mais quem sou. Não to sabendo mais conduzir as coisas direito. Não sei tomar as rédeas da minha vida. Talvez tudo que me disseram pra ser, fazer e criticaram penetrou de alguma forma em mim, de uma forma bem profunda e essas são consequências. É como um buraco negro que só fica maior. Você luta pra não entrar nele, mas dói demais pra se livrar. É mais fácil deixar se levar. E não pense que por causa desse texto eu sou algum tipo de garota triste. Não, não. Eu só cansei de fingir que está tudo bem. De colocar um sorriso no rosto quando quero só chorar. Quando quero conversar com alguém e não tem ninguém do lado. A verdade é que essa fase só você pode superar ou se deixar se levar. Ninguém além de você mesma é sua melhor amiga. A minha essência ainda é a mesma, mas eu sou alguém completamente diferente de quem eu era em muitos aspectos. Sou cheia de vírgulas, preposições, reticências e pontos finais nos lugares errados. 

Recomeço uma história que deveria ter sido terminada. Esqueço de dar um ponto ou coloco vírgulas demais. Abro parênteses pra justificar minhas ações, mas no fundo sei que nem precisaria daquilo. Eu me tornei um tipo de armadura. E também me tornei um explosivo. Posso me defender a qualquer momento, mas também posso explodir. Acho que eu só queria ser desarmada, desligar essa bomba e respirar. Me deixar rir, me deixar chorar, me deixar gritar e me deixar ser abraçada. Queria que minha mente parasse de rodar, queria que as perguntas cessassem. Queria a vida que eu tinha planejado lá trás. Queria mais.

Indicação de Filme: Quatro vidas de um cachorro


Filme: Quatro Vidas de um Cachorro
Título Original: A Dogs Purpose
Lançamento: Janeiro de 2017
Duração: 1 hora e 41 minutos
Gênero: Família, Drama
Distribuidor: Universal Pictures
Nota: 4 de 5
Baseado no livro de mesmo nome publicado aqui no Brasil

Antes que vocês possam falar qualquer coisa, saibam que eu sei sobre as fofocas em torno desse filme incluindo fotos e um vídeo que vazaram declarando que alguns animais foram maltratados durante a gravação desse filme. Porém, após dar uma pesquisada descobri que o vídeo e as fotos em si foram manipulados para boicotar o filme e sua estreia. Ah, mas você vai assistir um filme em que os animais foram maltratados? Primeiro, acredito que eles teriam que ser muito idiotas pra maltratarem animais envolvendo um filme que tinha uma estréia mundial inicialmente marcada. Segundo, eu acredito que as autoridades e os responsáveis pelo trato de animais é que devem tomar conta disso, isso não interfere na história do filme e por isso mesmo que assisti ao longa. 

Quatro vidas de um cachorro segue a mesma fórmula abordada em filmes como Sempre ao seu lado e Marley e Eu buscando afetar o lado emocional do espectador principalmente se ele tiver um animal. Nesse filme, um cachorro narra como enxerga as situações que vivencia com os humanos, enquanto tenta encontrar um propósito para estar na vida dos humanos. Ele reencarna quatro vezes, com donos diferentes, perspectivas diferentes mas seu coração ainda se lembra do garoto que o acolheu, cuidou e foi seu primeiro dono Ethan. Em sua última reencarnação, ele acaba achando o caminho de volta e reencontrando Ethan. Agora ele precisa fazer algo pra que ele saiba quem ele é.

É verdade que o filme apela para muitos elementos clichês e conhecidos de outros filmes que envolvem animais como amizade com humanos, momentos pra lá de fofos com cenas recheadas de drama e algumas partes bem engraçadas. Um outro enfoque do filme é mostrar como o animal pode influenciar na vida de um ser humano, e quais as consequências disso. É interessante observar o filme acontecer sobre a visão do animal, não tem como sorrir e lacrimejar quando ele passa de uma vida pra outra. O filme se sai surpreendentemente bem apesar de todas as polêmicas que saíram em seu nome. É um filme leve, com uma simplicidade tocante  e apelando para o coração do espectador. Aqui o longa foca na amizade de um cachorro com seu dono, e sua lealdade a ele. O animal se entrega verdadeiramente ao humano e o ajuda da melhor forma que consegue. Não é um filme apelativo e por mais que pareça tão morno em alguns momentos, ele consegue se manter durante o tempo do longa em um desenvolvimento leve, engraçado, tocante e bem produzido. Não há como não suspirar em algumas partes e em outras querer ter um cachorrinho, ou se você já tiver abraçar o seu por um longo tempo. É um filme bom e interessante e apesar de tudo em que se envolveu vale muito a pena do seu tempo. Assista independente das polêmicas envolvidas, você vai rir e se emocionar em algum momento disso eu tenho certeza.





Um cachorro morre e reencarna várias vezes na Terra. Embora encontre novas pessoas e viva muitas aventuras, ele mantém sempre o sonho de reencontrar o seu primeiro dono, Ethan, seu maior amigo e o grande amor de sua vida.


Resenha de Livro: Como se Fosse Magia

Livro: Como se Fosse Magia
Autora: Bianca Briones
Ano: 2016
Páginas: 208
Editora: Gutenberg
Nota: 3 de 5


Essa é a primeira resenha de um livro da Bianca Briones, apesar de ela já ter quatro livros lançados pela Verus e esse ser o primeiro lançado pela Gutenberg. Caracterizado "chick lit" Como se fosse magia tem muita paixão envolvida isso é bem nítido conforme você se envolve na leitura. O enredo do livro se foca em Eva, uma escritora apaixonada e altamente reconhecida que se encontra uma situação angustiante: um bloqueio criativo de mais de um ano. Só que tem um pequeno problema, a escritora vem sendo cobrada por sua editora e precisa terminar a história que está escrevendo. Eva tem um jeito peculiar de ter inspiração para escrever suas histórias, já que elas o imagina vividamente em sua memória, ansiosos para que ela conte a história de cada um deles. 

Em mais uma noite, um pouco frustrada por não ter ideias para finalizar seu livro, ela presencia uma cena curiosa enquanto está voltando pra casa.  Um rapaz é agredido e assaltado e cai em pleno asfalto. Sem ninguém para ajuda-lo Eva decide oferecer ajuda e chama a emergência. Quando reparar no tal rapaz, ela fica abismada. Ele parece absurdamente com um dos personagens de seus livros. E aquilo não podia ser possível. Contudo, o rapaz não se lembra de nada, não sabe seu nome e nem de nada de sua vida. Eva acaba chamando-o de Enzo, o nome de seu personagem e agora, ela meio que se sente responsável por ele até que ele possa recuperar sua memória. Com alguns desencontros, confusões e várias teorias eles se conectam cada vez mais e Eva finalmente consegue ter sua inspiração de volta. A atração entre os dois aumenta e eles percebem que a ligação que os une é muito além do que podem imaginar? E se Enzo fosse mesmo o personagem que escreveu e tivesse um propósito na vida dela?

Eu adoro a Bianca. Adoro sua escrita e adoro sua paixão intensa pelas palavras porém esse livro não foi bem o que eu esperava. Eu não consegui me conectar com a história, então a mesma não fluiu de uma maneira tão gostosa como deveria. Talvez seja pelo momento que eu li e a história não casou bem ou pode ser ainda que infelizmente a história não surgiu tanto efeito assim como eu esperava. A escrita da Bianca continua muito boa, mas para o gênero Chick lit, no qual foi encaixado esse livro, a história deixou um pouquinho a desejar. Não consegui encontrar os pontos que me fazem classifica-la nesse gênero. A verdade é que eu estava esperando uma história mais fofa, apaixonada e engraçada. As cenas engraçadas quase não rolaram, a história não teve tantos pontos altos e o envolvimento ficou em baixo nível pra mim. O amor pela escrita da Bianca é nitidamente transferido para a personagem que tenho certeza que foi caracterizada com muitos aspectos da autora e eu achei isso excepcional. Eu também escrevo e mesmo se fosse somente leitora poderia sentir esse amor pelas palavras que foram descritas pela personagem. 

Eu achei a premissa super criativa e interessante, um personagem que a própria autora criou e que vai para sua vida com uma ligação além do que ela compreende? É muito interessante com certeza. Porém, não teve uma parte que realmente me prendesse e não sei exatamente ao que se deve isso. Talvez se a autora tivesse modificado algumas partes e levado a mesma para outras direções com mais cenas leves, fofas e engraçadas o livro teria outro "ar". Mas talvez essa não fosse a intenção da mesma. Como se fosse magia é um livro bacana, com uma escrita simples e descomplicada juntamente com uma premissa interessante. Terminei esse livro um pouco decepcionada, porque não consegui enxergar a essência da história, absorvi apenas o que foi escrito e não senti a magia da história nem a conexão do casal. Ainda recomendo para todos os fãs da escritora e apesar de não ter sido o que eu esperava o livro é sim MUITO BOM.




Eva nasceu com o dom de passar os sentimentos para o papel, com isso conquistou milhares de leitores pelo mundo. Agora ela precisa escrever o último livro da sua série de fantasia, mas está com um bloqueio há um ano e não sabe o que fazer.

Enquanto ela tenta se reconectar a seus personagens, a vida coloca em seu caminho um homem igualzinho a um dos seus protagonistas.
O problema é que o desconhecido surge sem nenhuma lembrança de quem ele é.
Enzo está muito confuso. A princípio, ele duvida da conversa maluca de Eva. Mas, mesmo com seu ceticismo, ele não pode negar que se sente extremamente ligado a ela.
O que isso quer dizer?
Envolvidos por esse curioso e estranho mistério, Eva e Enzo estão prestes a descobrir que às vezes para que duas pessoas se encontrem mundos inteiros são capazes de colidir.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.