É disso que eu preciso

Minha mente viaja o tempo todo. Com coisas diferentes. Em intensidades diferentes. De forma diferentes. É tudo tão bagunçado que as vezes penso que estou ficando tonta. Tantas coisas que quero fazer. Imaginando coisas pro futuro. Lembrando de coisas do passado. Refletindo sobre o presente. O tempo passa cada vez mais rápido e minha batalha é contra o medo que tento dominar. Medo de olhar pra trás e perceber que perdi tempo demais. Tempo esse em que eu poderia ter feito mais. Realizado mais. Sonhado mais. Porque eu sou assim. O mais. O que sobra. O que transborda. Quero mais e mais. Quero excesso e ao mesmo tempo não quero me sentir sufocada. Quero ficar sem respirar e também quero espaço pra respirar. Aqui não tem alguém raso. Alguém de menos. Alguém que não se importa. Aqui tem alguém que ainda acredita fervorosamente que as coisas podem ser sim diferentes. Sem saber exatamente como. 



Já ouvi tantas vezes que os sentimentos se resumem a atração física e relações casuais que quase acreditei completamente nisso. Noite passada isso me tocou de uma maneira tão forte que quando me dei conta estava derramando lágrimas no travesseiro. Não podia ser isso. Eu não queria acreditar, não podia. Depois de todos os livros que li, os filmes que assisti e os sentimentos que absorvo nas músicas ou em situações ao meu redor não posso crer que seja somente isso. Tem que ser mais que isso. Ainda tenho que crer que há pessoas que se importam. Que ainda sentem o mesmo, que ainda querem algo de verdade. Não pode ser só eu. Segurei o choro e me dei conta de que talvez eu só estivesse sendo boba. Por que pensar nisso agora? Não posso me desesperar. E não posso deixar de crer naquilo que acredito desde que me lembro quem eu sou de verdade. Certas experiências na sua vida realmente levam as melhores coisas de você e isso foi o que restou pra mim. Tive que consertar minhas próprias sobras, engolir o choro e achar um jeito de sorrir. Eu ainda não encontrei meu lugar. Ainda não me encaixei e não me sinto parte de algo. Ainda me sinto estranha e completamente deslocada com relação as pessoas ao meu redor. Quero que isso tudo pare.

 Só tenho as palavras que escrevo como amigas, amigas que me ajudam a descrever o que realmente estou sentindo sem precisar fazer com que outra pessoa entenda o que realmente acontece aqui dentro. Acho que só estou me dando pequenos motivos. Pequenos fiapos de esperança para me alimentar e crer que existe algo maior. Que os sentimentos ainda estão vivos, que o amor, a paixão e todos aquelas bobices que nos falam ainda estão acontecendo. Acredito que eu só quero sentir. De qualquer forma seja. Ainda estou procurando alguém que sinta como eu, que enxergue como eu e que seja a base que me sustenta quando as coisas estão prestes a cair. É nisso que tenho que acreditar. É nisso que eu preciso acreditar. Que ainda há alguém no mundo disposto. Disposto a sentir. Disposto a tentar. Disposto a amar.

Resenha de Livro: Amor sem Limites




Livro: Amor sem Limites
Autora: Abbi Glines
Ano: 2014
Páginas: 192
Editora: Arqueiro
Nota: 3 de 5

Amor sem Limites é o terceiro livro do universo "Rosemary Beach" e o penúltimo e inédito livro focado nos personagens Rush e Blaire pois nos livros seguintes as histórias contadas são de outros personagens. Antes de falar o que achei do livro, vamos falar do enredo né?  Blaire está grávida e de casamento marcado com Rush e tudo parece estar entrando nos conformes. Só que exatamente quando eles pensam que tudo finalmente dará certo, os obstáculos aparecem novamente. 

Já conheço a escrita de Abbi Glines há um tempinho e já tinha tinha lido esse livro em questão, mas para fazer uma resenha bacana e mais completa pra vocês resolvi reler a história. Os personagens estão muito mudados em seus atos já que Blaire está grávida, com os hormônios a solta então ora ela está nervosa, ora emocional, ora querendo arrancar as roupas e transar com Rush. A insegurança dela ainda continua lá já que Rush continua com as mesmas atitudes irritantes. O cara vive deixando Blaire na mão pra cuidar de Nan, sua irmã e atender aos seus chiliques. Em certo momento eu até entendo a indecisão de Rush pois foi ele que cuidou de Nan desde criança e a protegeu, mas a garota é bem grandinha agora. Falando em Nan, a menina é insuportável. Que chatinha. Todo momento que ela aparecia do livro me deixava já cansada. Alguém precisa urgentemente puxar a orelha daquela garota. Uma coisa que é muito presente nos livros da Abbi Glines, é ela colocar os personagens masculinos em um papel sufocante. Rush, por exemplo há momentos que se torna cansativo. Não deixa Blaire usar tal roupa, não deixa ela falar com outros caras, fica enciumado com qualquer um que olhe diferente pra ela, fica com ciúmes se fala de algum cara anterior, não quer deixar a menina fazer nada. Fica toda hora em cima, perguntando se está tudo bem. Ai, que saco. Cade o espaço pessoal e particular da menina? Se fosse comigo eu já estaria sufocada. Ah e antes que você pense, as mulheres não querem caras assim? 

Na verdade, as mulheres querem caras românticos, caras que se preocupam sim, mas tudo com moderação pelo amor de Deus né? Mas o Rush tem seus pontos altos também já que o mesmo faz de tudo para fazer Blaire feliz. Dean, o pai de Rush aparece mais nesse livro e até gosta de virar avô e quer ficar perto do neto. A escrita do livro continua no mesmo ritmo, e a autora ainda consegue fazer com que o leitor se prenda facilmente com a história devorando o mesmo em poucos dias ou horas. As cenas de sexo estão ali, obviamente e continuam do mesmo jeito. Movimentos repetitivos, um tesão inexplicável que eu não sei de onde vem, palavras repetidas que me irritam de vez em quando. O livro continua bom e razoável ao mesmo tempo. Se você leu os livros anteriores precisa ler para encerrar de vez a história de Rush e Blaire. Vale a pena.









Blaire Wynn conheceu Rush Finlay num momento muito difícil da vida dela, logo depois de perder a mãe e a casa em que morava. Filho de um astro do rock, Rush vivia num mundo de luxo, sexo sem compromisso e total despreocupação com o futuro. 

Exatamente o oposto de tudo o que Blaire conhecia. Mesmo com tantas diferenças, a paixão entre os dois foi arrebatadora. Porém Rush guardava um segredo de sua família que levou ao fim do namoro e a um período de tristeza absoluta para o casal. Mas eles já não sabiam viver um sem o outro e cederam de novo àquele sentimento irresistível. Agora Blaire está grávida, eles estão felizes e planejam se casar. Mas nem tudo está garantido. O pai de Rush chega trazendo más notícias e novamente os antigos problemas de família podem fazer com que os dois se afastem.






Eu assisti: O Círculo

Filme: O Círculo
Título Original: The Circle
Lançamento: Junho de 2017
Duração:1 hora e 50 minutos
Gênero: Suspense, Drama
Distribuidora: Imagem Filmes
Nota: 2,5 de 5
Baseado no livro de mesmo nome 


Já tinha visto o trailer desse filme no Youtube e não fiquei muito impressionada. Minha única motivação para assistir esse longa inicialmente foi: Emma Watson. Eu realmente queria saber direito do que se tratava o filme e como ela se encaixava dentro da história. O Círculo é uma das empresas mais poderosas do planeta em questões tecnológicas já que engloba várias redes sociais e outras coisas dentro de um único sistema. Mae Holland vê sua vida mudar quando é indicada por uma amiga para ser entrevistada pela empresa e acaba sendo contratada. Empolgada, ela quer saber mais sobre a empresa, contribuir e se envolver com as pessoas ao seu redor, mas cada vez que ela vai mais fundo nisso percebe que as coisas que ela faz e decide tem consequências enormes. Afinal, quando não se tem segredos ou privacidade as coisas são totalmente expostas e até onde vai a limitação de não compartilhar tudo que acontece na sua vida?

A premissa da história é MUITO interessante. Se você já assistiu Black Mirror, vai ser meio que impossível não comparar essa história com o que a série falava a todo tempo: a influência da tecnologia avançada e a necessidade de postar sobre sua vida o tempo todo. O roteiro do filme é estruturado, porém o desenvolvimento e certos acontecimentos abordados dentro do filme deixam a atmosfera do longa um pouco devagar e sem nenhum momento empolgante. Eu esperava algo mais agressivo pois quando se tem um assunto tão bacana e reflexivo por trás você espera algo mais estrondoso com relação ao mesmo e isso não aconteceu.  Eu fiquei esperando o tempo todo por um momento empolgante e isso não aconteceu. Todo esse clima morno tirou a graça do mesmo e nem mesmo a boa atuação da Emma Watson e Tom Hanks salvaram o filme por si só. É óbvio que o filme cumpre o papel que queria em termos de se trazer uma reflexão necessárias para as pessoas que são muito dependentes das redes sociais e compartilham praticamente tudo da sua vida social. Por outro lado, O Círculo representa uma empresa poderosa " tipo Facebook ou Google" que parece ser maravilhosa e cheia de oportunidades para se trabalhar, mas que tem certas limitações e lados negativos. 


Se você realmente refletir sobre a mensagem do filme, vai de fato se preocupar com a influência da tecnologia em nossas vidas, a alienação das pessoas com relação a isso e é claro a consequência de se pressionar o compartilhamento de TUDO da vida do outro para as outras pessoas que gostam muito de julgar. Mas se a premissa é interessante por que o filme não é tão bom? Infelizmente apesar de estruturado o roteiro se perde e falha em passar a mensagem de uma forma mais bacana e marcante para quem está assistindo. É um filme com uma premissa inteligente, com um lado reflexivo e que passa uma imagem de algo bom, mas não entrega isso para quem está ali. Não há tanto espaço para que a absorção da mensagem seja grande e boa. Falta profundidade, falta uma pequena percepção de usar essa premissa de uma forma mais inteligente. Um filme superficial que tinha tudo pra ser um longa inteligente e reflexivo, mas que não entrega isso pois se mantém na base sem envolvimento, aprofundamento e mesmo sua premissa não o salva.









Resenha de Livro: Encantada por Você


Livro: Encantada por Você
Autora: A.C. Meyer
Ano: 2016
Páginas: 400
Editora: Universo dos Livros
Nota: 3 de 5

Último livro da série After Dark da autora A.C Meyer e vocês sabem muito o que pensei dos três livros anteriores da série. A partir do momento que eu me decepcionei com essa série ficou difícil pra mim gostar dos livros seguintes, mesmo dizendo pra mim mesma que deveria dar uma nova chance. Antes de falar minha opinião, vamos falar do enredo primeiramente. Esse livro é focado em outros dois personagens: Alan e Livy. Sim, esse é o mesmo Alan do primeiro livro que deu em cima da Jullie e aceitou participar de um plano bobo pra ela fazer ciúmes no Danny. Livy surgiu no segundo livro, já que ela trabalha com a Jo, irmã do Danny. Enfim, Alan é aquele típico rockstar cheio de mulheres ao seu lado, conquistador e que não quer saber nada de compromisso. Livy, por outro lado é uma garota do interior e um pouco inocente já que ela é virgem e espera perder com alguém significativo. Quando os dois começam a se envolver ambos negam os sentimentos. Livy recua quando Alan dá indícios que não quer nada além de diversão com ela e Alan se vê dividido já que não quer compromisso. As coisas pioram quando ela tem que acompanhar a banda de Alan em uma turnê para que cumpram as datas. A atração aumenta e um romance surge, porém eles serão capazes de lidar com o que sentem e aceitarem ?

Esse livro tecnicamente é melhor escrito e desenvolvido do que os dois primeiros. Já comentei isso na resenha de "Fascinada por você" que a autora conseguiu felizmente melhorar alguns pontos, mas ainda faz com que eu sinta falta da conexão com o leitor e os personagens. Não consegui gostar de verdade de nenhum personagem da série de livros. E que frustração. Esse livro também é cheio de clichês. O típico rockeiro que tem um monte de mulheres aos seus pés e um pouco convencido que se interessa pela garota do interior que é virgem.A fluência da história também melhorou já que diferente dos outros livros aqui algumas partes realmente podem ser relevadas. Conforme fui lendo as críticas dessa série, percebi que a maioria das pessoas gosta da mesma e fiquei triste porque não consegui sentir isso. Talvez eu estivesse esperando algo diferente e não foi o que eu esperava. Encantada por você termina a série After Dark de uma forma melhor em alguns níveis e é leitura obrigatória para você que leu os livros anteriores da série. Fica a dica.











O que acontece quando você se apaixona pelo guitarrista mais assediado e garanhão do momento? Essa é a história apaixonante e encantadora que fecha a série After Dark com chave de ouro. Nos três primeiros livros da série, conhecemos os fascinantes encontros e desencontros dos casais Daniel e Julie, Zach e Johanna, e Rafe e a doutora Jenny. Mas faltava ainda um par nessa grande família… Alan é um rockstar com um passado que preferia esquecer, e que o fez prometer a si mesmo não mais se envolver profundamente com ninguém além de seu irmão Jude. Livy, uma garota do interior em meio à cidade grande, caiu no charme de Alan uma vez, mas recuou quando percebeu que ele não buscava nada além de diversão. Só há um problema, porém: nenhum dos dois consegue parar de pensar no outro. O que só fica mais forte quando Livy é escalada para uma difícil missão: acompanhar a turnê da The Band para tentar colocar um pouco de juízo na cabeça dos músicos fascinados pela vida boêmia da estrada. Será que Alan conseguirá vencer seu trauma, de maneira a vivenciar um sentimento que jamais nutriu por uma mulher, ou vai preferir continuar sua fuga eterna em noites de prazer infindável e fútil? E Livy, conseguirá superar o desapontamento com a sedução vazia de Alan e cuidar das profundas feridas remanescentes de seu passado?



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.