Eu assisti: Piratas do Caribe - A Vingança de Salazar


Filme: Piratas do Caribe / A Vingança de Salazar
Título Original: Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell Not Tales
Lançamento: Maio de 2017
Duração:  2 horas e 10 minutos
Gênero: Aventura, Fantasia, Ação
Distribuidor: Disney
Nota: 3 de 5
Em exibição nos cinemas 

Vocês realmente acharam que eu não falaria de Piratas do Caribe 5? Demorou um pouquinho a mais do que esperado, mas cá estou eu para dize o que achei de uma das franquias de filmes que eu mais gosto com um personagem que quase todo mundo ama: Jack Sparrow.  Quando se foi anunciado que teria mais um filme da série muita gente ficou feliz, outras ficaram com o pé atrás sobre o que seria abordado dessa vez e se a qualidade se manteria depois de um quarto filme fraco. Se você não assistiu os três primeiros filmes da série acredito que precisará assistir para entender completamente os complementos que foram colocados nesse filme, como a reaparição de Will e a missão de seu filho Henry. Pra quem não sabe do que se trata esse longa vamos lá fazer um breve resumo. A Vingança de Salazar foca em um capitão espanhol que teve sua vida dedicada a extinguir todos os piratas das águas. Sua vida era acabar com todos e ele era muito bom nisso, até topar com Jack Sparrow que na época era bem jovem. Por causa de Jack, Salazar acabou perdendo tudo vendo seu navio afundar e sua tripulação e ele amaldiçoados esperando o dia em que pudessem se vingar. Agora, ele quer acabar com o pirata que arruinou sua vida e não vai medir consequências para isso. De outro lado, temos Jack que anda meio perdido já que está sem navio, sem tripulação e sem saber o que fazer. Quando o jovem Henry vai atrás dele para que eles possam encontrar o Tridente de Poseidon, Jack vê uma oportunidade de tirar Salazar de seu encalço já que o Tridente além de quebrar qualquer maldição, também controla os mares. Com a ajuda de Carina, uma jovem cientista que terá que guia-los por um mapa nada convencional, eles vão em busca do famoso tridente enquanto enfrentam a caçada de Salazar, a marinha britânica e outros obstáculos que vão surgindo pelo caminho.

A pergunta que não quer calar: esse filme é mesmo bom? A resposta é : sim.  Sim, esse filme é um filme bom e relativamente bem melhor que o último que na minha opinião foi o mais fraco da franquia. Nesse filme, alguns elementos abordados nos filmes anteriores foram resgatados. Henry, filho de Will e Elizabeth está mais crescido e determinado a acabar com a maldição do pai que o prende ao Holandês Voador e o impede de ficar com ele e sua mãe. Já logo no começo do filme, temos um vislumbre de uma conversa de Will com o filho e sua promessa de tentar livrar o mesmo da maldição. Confesso, que eu fiquei empolgada em ver o Will novamente. Queria saber o que tinha acontecido com ele, se ele ia ficar pra sempre preso a maldição. Fiquei feliz por terem trazido isso a tona de uma forma que fosse ligada a um objetivo condizente com de outros personagens. O roteiro pra mim funcionou em alguns aspectos em outros nem tanto, mas de forma geral eu gostei muito de como tudo foi abordado e produzido dentro do filme. Jack Sparrow que é o personagem mais importante e cativante da franquia está diferente. A espiritualidade e o lado cômico do personagem ainda estão presentes, mas de uma forma bem fraca. Apesar de destacarem muito suas cenas, o personagem não teve a mesma presença que teve nos filmes anteriores. Nesse longa, o mesmo me pareceu apagado e sem se envolver nas cenas mais importantes deixando de lado suas deixas para a esperteza e planos malucos.  O enfoque do filme é claramente a vingança do capitão Salazar, que pra mim nem chega a ser um vilão tão convincente. Davy Jones pra mim foi mais eficaz que ele nesse sentido. De resto, temos o mesmo dos outros filmes e que já é de conhecimento do público que acompanha a série. Barbossa comanda uma frota de navios desde que se apossou da espada de Barba Negra e agora precisa arranjar um jeito de sobreviver a Salazar que quer acabar com toda ameaça pirata em busca de Jack.  Eu senti falta da espiritualidade do Jack e até as piadas que foram feitas em suas cenas deixaram um pouquinho a desejar. Talvez um quinto filme da franquia tenha causado um certo cansaço com relação a imagem do personagem. Jack consegue se dar bem não importa a situação pela qual passe e ele sempre acaba saindo das enrascadas de uma forma  bastante inusitada. Até porque o personagem é o mais querido da série e o que seria se não tivesse o mesmo nos filmes? 

De resto, eu fiquei feliz com o final dado a Will, Henry, Elizabeth e Carina. Fiquei feliz por terem trazido esse tópico de volta que amarrava vários objetivos em um só, casando Jack, Carina, Henry e a vingança de Salazar. A qualidade dos efeitos é ainda mais incrível ou tão incrível quanto os anteriores, porém é óbvio que o fôlego de empolgação da franquia está perdendo o jeito. É notável a diferença ao se assistir os primeiros e os posteriores. Apesar de ser bom, o filme não chega aos pés do que eram as primeiras produções mesmo apesar de abusar dos mesmos elementos de sucesso que já foram utilizados. Pra mim, Navegando em águas misteriosas foi o filme mais fraco e sem necessidade de ser produzido da franquia. Se pulassem esse filme, e colocassem a Vingança de Salazar como quarto filme da franquia seria muito mais válido já que o quarto filme não acrescenta em nada para a história. Piratas do Caribe a vingança de Salazar é um bom filme e deve ser assistido por quem acompanhou a série até aqui e adora o capitão Jack porém ainda falta com relação aos anteriores. Funciona, mas tem seus problemas. 








O capitão Salazar (Javier Bardem) é a nova pedra no sapato do capitão Jack Sparrow (Johnny Depp). Ele lidera um exército de piratas fantasmas assassinos e está disposto a matar todos os piratas existentes na face da Terra. Para escapar, Sparrow precisa encontrar o Tridente de Poseidon, que dá ao seu dono o poder de controlar o mar.







0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.