Eu sei quem sou e você sabe quem é?

Todo esse tempo algo dentro de mim me culpava por me sentir tudo com mais intensidade, por mergulhar de cabeça sem pensar muito, por me permitir sentir várias sensações mesmo sabendo que posso sofrer. Você virou e me disse que ser emocional era um defeito. Pessoas assim não tem estabilidade e não se podem confiar porque as ações são uma caixinha de surpresas. E quem ditou a regra de que isso é errado? Que eu não posso me permitir sentir, chorar e acreditar de novo? Viver uma vida com intensidade é tão errado a ponto de viver uma vida na racionalidade e não se permitir sentir as coisas? Por um tempo me culpei por ser assim, por muito tempo quis mudar mas não tem nada de errado em ser assim. Eu sou assim. Percebi que por mais que eu tenha defeitos a pessoa certa não vai apontá-los e faze-los me sentir como imperfeita mas vai adora-los como um todo. Enfim eu poderia continuar me sentindo culpada por sentir as sensações que a vida traz, mas qual seria a graça disso? Eu sou eu. 



Assim desse jeito e estou bem com isso. Por que você não está? As pessoas impedem as sensações, os sentimentos, as coisas imprevisíveis e as surpresas com medo de perder o que chamam de integridade ou força. Mas se for pra viver sem sentir por mais que eu sofra o dobro no final prefiro ser assim. Se limitar a sentir por racionalidade ou por instabilidade é bobeira. Quando vamos a ter a certeza de que algo vai dar certo? Que não vamos mudar de ideia ou de caminho? As emoções são únicas e eu não quero perde-las. Limitar- se a senti-las por receio é perder uma das coisas mais valiosas que a vida oferece. Sou emocional, sou volátil e sou sensível. Isso não me faz instável e nem me faz ser inconfiável. Isso não fez ser errada. Isso não me faz ser pior que ninguém. 

Posso derrubar lágrimas no travesseiro quase toda noite, mas dentro do meu coração sei que fiz tudo que tinha que fazer para fazer as coisas darem certo. Eu tentei. Uma hora não dá mais pra mudar de assunto e fingir que nada aconteceu. Não dá mais pra colocar um sorriso no rosto e esquecer as coisas que aconteceram. Minha memória não funciona assim nem muito menos meu coração. Sobrevivi a dores que achei que não podia aguentar e ainda estou aqui. Posso sobreviver a isso sem me culpar por ter sido eu, sem me culpar por querer mais e por querer sentir reciprocidade. Será que você não entende? Somos diferentes. Enxergo isso como a claridade agora, Eu não queria admitir que isso estava errado porque queria fazer dar certo de qualquer jeito. Eu sei quem sou. Você sabe quem você é? Você sente minha falta?  Estou cedendo a loucura sem perceber?  

Você diz que me ama sem mais nem menos, depois me faz sentir estúpida. Em outro momento estamos disposto a lutar juntos e em outro você nem ao menos quer dar uma palavra comigo. Eu volto a te adorar mais e você me diz que quer espaço. Enquanto isso estou perdida e precisando de alguém. Mas não é qualquer alguém, não é qualquer pessoa. É VOCÊ. Eu precisava só de você. Pra me acalmar com um abraço, pra segurar minha mão por quantas vezes fossem necessárias.  É estranho como você pode me trazer sensações tão boas e ruins ao mesmo tempo. Onde você estava me levando? O que você queria de mim? Então, olhe nos meus olhos e me responda: Quem é você de verdade? Eu? Eu sou eu mesma. Cheia de fraquezas e com um coração sensível a ponto de rachar na primeira batida. E ah, mesmo com lágrimas no rosto, estou bem com isso.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.