Mergulhando dentro de si

Resolvi tirar um tempo pra mim. Me afastei internamente de tudo e de todos. Precisava me achar, organizar a bagunça, lidar com tudo e entender o que estava acontecendo aqui dentro. Ser emocional dá nisso. Parecemos um trem desgovernado e sem nenhum rumo. Isso acontece quando deixamos só o emocional ser piloto. O racional fica de lado olhando e as coisas saem do controle. Estive me sentindo perdida por muito tempo. achando que era normal. Que as coisas iam passar enquanto a confusão só aumentava. É tão cansativo. É a coisa mais estranha do mundo. Você estranha estar naquela situação e não saber lidar com aquilo. Não lembro de conhecer alguém que se sente como eu. Lembro de desejar as coisas mais simples desde que aprendi a reconhecer sentimentos. Mas tudo que é complicado resultante em lágrimas, tristeza e mágoa chega até mim por correspondência do coração. No meio de tanta confusão consegui compreender que não tem nada de errado precisar de outra pessoa. Não tem nenhuma lei obrigatória que diz que você tem que ser forte, lidar com tudo e ainda não precisar de ninguém. 



Aliás, eu odeio esse papel de forte que somos obrigados a representar. Ah, que preguiça. Não podemos parecer necessitados, não podemos parecer dependentes. Não posso isso, não posso aquilo. Me deixa ser o que quiser. Me deixe querer o que quiser. Dito isso, ressalto que ninguém é menos ou mais forte por precisar de ajuda ou precisar voltar para analisar seus pensamentos e ações. Mergulhar dentro de si mesmo é assustador. Você tem medo de não saber nadar. de se afogar ou de perder a respiração. Quando dei um pulo pra dentro de mim mesma, percebi que podia mudar muita coisa que eu não me dava conta. É louco, espinhoso, doloroso, doído. Passei tanto mas tanto tempo evitando isso. Não queria enfrentar o que tinha. Só queria dar desculpas, repetir que passaria, dizer que podia lidar com isso sozinha e não precisava de consolo. Consolo humpf. Isso é para os fracos. Ah que bobeira. Assusta demais estar mergulhando pra poder aprender a nadar mas é tão libertador. Os pesos dentro de ti vão sumindo bem devagar e seus olhos conseguem enxergar uma nova perspectiva para as coisas ao redor, Esse confronto com você mesma causa dores. Causa perdas. Causa lágrimas e causa alívio. 

A gente perde pedacinhos de si mesma quando se encara, junta outros tentando melhorar como lida com tudo. Isso foi completamente necessário para que eu desse um recado. Alô querido? Ninguém é forte o tempo todo. Ah e não tem nada de errado em ser emocional. E precisar de alguém. Eu falho muito, não consigo segurar lágrimas, muitas vezes acho que não vou aguentar e não consigo lidar com meus sentimentos. Isso é permitido? Claro que é. Eu tenho complexos não resolvidos grudados em mim e não me questione sobre isso. Não sei explicar. A capacidade de saber que algo existe e está ali te incomodando mesmo saber do que se trata. Enquanto ainda mergulho e aprendo vou sentindo muito consciente ou inconscientemente para todos que um dia não soube lidar com as emoções. Dentro de si é isso ai mesmo. Uma bagunça sem explicação. Muita água pra explorar e técnicas pra aprender. Saber enfrentar tudo mesmo assustada. Aprender a respirar devagar enquanto lida de frente. Aprender a ter folêgo pra continuar aproveitando da melhor forma possível todas as sensações possíveis.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.