Perdida e Salva

Estou tentando lidar com isso, estou realmente tentando. Mas tudo que eu faço parece inútil. Tento lutar contra tudo que me machuca porque essa foi a maneira que encontrei de me defender. Eu quis fugir e corri o mais depressa que pude, eu achei que era mais seguro longe. Fiz mais do que pude, esgotei todas as minhas esperanças. Vi mais do que achei que poderia aguentar, e ainda continuo caminhando. Mesmo querendo desistir, mesmo ficando com os pés cansados. Estou dando voltas, sem saber bem onde estou indo. Lágrimas caem do rosto. Respiração funda. Dor e esse vazio que me incomoda de todos os dias. Esse medo de não ser feliz, de ser só mas alguém no mundo que passa pela vida sem fazer nada de significante. Como ainda acreditar em finais felizes? Como ainda crer depois de tudo que vejo, de tudo que ouço? Não tive medo de pertencer a alguém há um tempo atrás.



Agora não posso evitar correr assustada, não posso evitar me atrapalhar. Não posso evitar duvidar de cada palavra dita, não posso evitar fazer peguntas sem sentido, não posso evitar exigir que me diga a cada segundo que gosta de mim. As cicatrizes não me deixam, a dor ainda não se foi completamente. Dizem que a vida é curta, mas meus sonhos não são. Eles sempre foram maiores do que qualquer outra coisa.  Minhas escolhas revelam que eu sou e cada passo dado é em direção do que quero. Eu continuo quebrando as regras, as leis que aparecem porque de alguma forma, quero que elas pertençam a mim. Tudo que aprendi é pouco ainda, sei que nada ainda é suficiente. Abro uma porta com a esperança se desfazendo, nunca tive um manual de como fazer com que isso tudo funcionasse. 

Fazer com que isso se encaixasse de alguma forma. Estou em algum tipo de jogo, e os socos estão vindo em minha direção, não sei desviar deles, não sei jogar e estou perdendo feio. Fico no chão sem levantar, sem saber como me reerguer e ainda assim continuar apanhando. Estou dominada pelo medo, pelo aperto do meu coração que não se sente seguro, estou dominada por tudo que me faz querer correr, continuar  fugindo para algum lugar bem longe. Tentativas são falhas de descrever o que estou sentindo. Palavras como essa agora não chegam perto, é impossível descrever o que me calou. O que me deixou assim, o que me roubou as palavras, o chão, o ar e o que me roubou de mim. Além de tudo não posso entender, e apesar de haver esse buraco dentro de mim, o resto não cabe aqui dentro.Não sei definir que sensação é essa, me sinto perdida e salva. 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.