Você ficou pra trás

Escuto aquela música tocar, é aquela mesmo. Aquela que tocava enquanto eu estava no seu carro e nós beijávamos. Parece um passado distante, as memórias voltam mas é como se de certa forma elas não me pertencessem. Parte de mim bloqueou a maioria delas. Por medo, por estar cansada de sofrer e de sentir dor. Hoje, abro sua foto e olho pro rosto que me fez amar pela primeira novamente. Soa estranho te dizer que eu devia te odiar? Porque eu devia mesmo. A música continua tocando, enquanto eu ainda penso, sua foto está ali ainda intacta na tela e um milhão de memórias vem a tona. Estou de cara com o meu passado. Sinto os olhos marejarem, mas não faz mais sentido chorar. Você não é mais parte da minha vida. Olho para o rosto na foto que um dia eu amei tanto, o rosto que me segurou minha mão por tantas vezes e me fez promessas. Que me beijou na testa e disse que mesmo que se nos separássemos algum dia nunca me esqueceria. 

Lembro de como seu abraço me acolhia, de como seu beijo me fazia flutuar por lugares que eu nem ao menos havia sonhado em estar. Você era como um porto seguro que eu sabia que eu podia correr em todos os momentos que estivesse desesperada. Olhando para os mesmos olhos que me encararam há algum tempo, não sei dizer se ainda te conheço. Mas sei que posso te dizer que você não me conhece mais. Não sou a mesma garota que você conheceu, da pior forma possível, você me transformou. Deixou a dor, deixou a mágoa e eu tive que aprender a lidar com ela sentindo sua falta. Tendo que aprender um jeito de des( amar) você. Não posso mentir, sei que muitas vezes eu senti sua falta. Sei que muitas vezes teria dado tudo que eu tinha pra ter de volta. Mas hoje, quando vi você sua mensagem aparecer, uma sensação de paralisia tomou conta de mim depois de tanto tempo.


Apertei o atualizar várias vezes. Será que era coisa da minha imaginação? Mas não era, a mensagem continuava ali e e você falava comigo como se o tempo não tivesse passado. O que fazer? o que dizer? Posso gritar com você? Posso dizer que eu te odeio mesmo não te odiando porque é isso que uma pessoa sensata faria depois de tudo que fez me passar. Depois de toda a dor que me causou, depois de tudo que levou contigo. 

Eu poderia te dizer que você levou o melhor de mim e só deixou os cacos. Mas não queria sua pena, eu não era a mesma garotinha apaixonada, dependente, crente e totalmente cega em um sentimento que achava que era do mesmo jeito. Senti meu coração apertar dentro do peito, ao ler as palavras que há alguns meses teria poupado-me noites sem dormir, dias sem comer e muitas lágrimas. Não estou te culpando, talvez você tenha me feito um favor. Mas ao ler agora, que você nunca me esqueceu, e que sente minha falta penso em como as coisas são engraçadas. Pensei milhares de vezes em como me sentiria se voltássemos a nos falar. E de repente, você surge. Como se nunca tivesse sumido. 

Surpreendentemente, eu já não sinto mais aquela necessidade. Aquele sentimento que me fazia te amar loucamente. Simples. A nossa história já acabou. Se restou algum pinguinho de sentimento, foram referentes aos momentos bons que sobraram lá do começo. Não tenho ódio de você, mas  posso dizer com orgulho com que amadureci. A garotinha que te conheceu não está mais aqui, essa que está aqui agora foi você que transformou. Vou guardar os beijos, os abraços, as palavras trocadas e confidências, as lágrimas e toda a dor em uma caixa bem trancada no fundo do meu coração. É bom deixar elas guardadas, porque em passado não se remexe mais.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.