Vou onde o vento me levar

Olhe dentro dos meus olhos. Eu vou aonde o vento me leva. Feche os olhos e apenas sinta todas as sensações ao seu redor. Sei que não estou sozinha. Gosto de correr por ai. Olhar tudo que tem para se ver. Explorar cada detalhe com meus olhos. Trilharam um caminho para mim. E me disseram que esse é o meu destino. Mas dentro do meu coração eu sinto que tem alguma coisa errada. Que tem um outro caminho que devo seguir. Quando anoitece, quase todas as noites tenho o mesmo sonho. Com setas que me apontam para diferentes caminhos, e elas rodam ao meu redor e eu fico sem saber o que significam.

Só vejo dois olhos verdes como o reflexo daquelas folhagens na água pairando ao longe nos meus sonhos. Então acordo e corro ainda mais por ai, perguntando aos ares. Buscando respostas que eu nem ao menos sei se vou encontrar. Sei que tenho que fazer o que é preciso para escolher meu caminho. Eu não entendia. Era tudo tão confuso. As outras as coisas eram bem mais simples. Eu não me prendia a nada. Gostava de me sentir livre. De sentir todas essas sensações pairando sobre a minha pele.



Mais um belo dia de sol nasceu e você chegou. Me alertaram sobre você. Que era como todos os outros, que iria levar a coisa mais valiosa de mim e iria embora sem nem ao menos se importar. E não mediria esforços por isso. Mas eu reconhecia aqueles olhos verdes que eu via ao longe. Já os tinha visto em algum lugar. Eu sabia bem onde era. Seria você a resposta dos meus sonhos? Te observei de longe enquanto pude. Até o dia que nos encontramos. Você me estendeu a mão e eu corri assustada pensando em me afastar o mais rápido possível. Mas então você insistiu com a mão estendida e eu olhei nos seus olhos. Tão verdes, tão lindos. Me encarando sem tirar por um instante o olhar do meu, por 1 único segundo eu não tive medo. Segurei sua mão. E tudo começou ali. Você me ensinou coisas que eu jamais pensei em aprender. Eu te mostrei tudo aquilo que eu já vi correndo por ai.

 Quando vi, estávamos envolvidos demais. Apaixonados, completamente dependentes daquele modo de que não se vê sem a pessoa do lado. Pois é, com uma pessoa totalmente improvável.Mas existiam barreiras maiores para enfrentarmos. Um inimigo maior que nós dois. Todo o medo, insegurança, e dor que eu já tinha passado. Sei que teria que passar por cima deles para me entregar literalmente. Eu teria que ser corajosa. Brava. Te mostrar que posso ser forte e passar por tudo isso. Você me disse para não ter medo, que não importava o que acontecesse, que sempre estaríamos juntos. E não importa quanto medo eu estivesse, eu acreditava. Em cada palavras que saia de sua boca.

 Porque eu sei que todos aqueles momentos foram unicamente verdadeiros. O destino foi cruel conosco. Nos impôs mais barreiras que nem ao menos conseguíamos prever. Elas nos separaram, mas eu sabia que um dia, olhando pro horizonte, eu veria aqueles olhos verdes vindo em minha direção outra vez. Lembro de sua mão passando pelo meu rosto e de seus lábios colados sobre os meus. Não dá pra esquecer a sensação. Estamos distantes agora, mas eu correria mil quilômetros, moveria montanhas, e coordenaria o vento para poder te encontrar outra vez.Não importa quanto tempo isso leve. Estaremos juntos no coração e na alma.

* Baseada no conto de fadas " Pocahontas" da Disney
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Que lindo blog, tô apaixonadaaaaaa!!! Tudo muito fofo, beijos

    http://dicasetals.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. muito lindo *-* amooo demais suas crônicas ^^

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.