Resenha de Livro: Louca por Você

Livro: Louca por Você
Autora: A. C. Meyer
Série: After Dark #1
Ano: 2014
Páginas: 208
Editora: Universo dos Livros
Nota: 2 de 5 

É muito difícil pra mim dar minha opinião sobre livros nacionais. Pra quem não sabe, eu sou escritora e tenho dois livros lançado então me coloco no lugar da autora e como é chato receber críticas ruins sobre a história que você escreveu com dedicação, mas eu já disse em inúmeras resenhas de livros/filmes por aqui que preciso ser sincera e dizer o que acho pra vocês. Esse livro é de uma autora nacional que eu até já conheci na Bienal de SP/2016 e sai de lá com todos os livros autografados. Já tinha lido esse livro há um bom tempo atrás, porém outros livros da série foram sendo lançados e ai conforme eu fui adquirindo pensei em rele-lo de novo mais tarde e resenha-lo. Me lembro que já na primeira leitura, esse livro não foi o que eu esperava. O que me encantou na obra foi a capa e a sinopse que pareciam ser promissores. Mesmo assim, decidi dar uma segunda chance porque isso já aconteceu diversas vezes não só com livros, mas com filmes, músicas que de início não gostei e depois mudei minha opinião. Então reli o livro todo e minha opinião continua a mesma. Antes de falar tudo que preciso falar, lembro a vocês que essa é apenas minha opinião e visão sobre a história ok?

 Falando do enredo temos o foco em dois personagens Jullie e Daniel em que a narrativa se divide sobre a visão dos dois. Jullie tem 28 anos e quer duas coisas: viver a vida cantando e conquistar Daniel. Mas tem um problema o cara só olha pra ela como irmãzinha, já que os dois foram criados juntos desde pequenos quando os pais da menina se acidentaram. Daniel, por outro lado, é aquele típico cara garanhão que pega várias mulheres, é totalmente averso a compromisso e tem ciúmes de Jullie e sua irmã Jo. Agora, Jullie precisa achar um jeito de mostrar a Daniel que ela não é mais uma garotinha e sim uma mulher. Então um plano cheio de ações é elaborado para que Daniel se toque. Será que os dois darão certo? 

Eu não sei por onde começar a falar dos problemas desse livro e do enredo. Antes preciso reforçar que eu AMO história clichês, como já disse em algumas resenhas os clichês são bons, mas eles precisam ser bem aproveitados senão podem ser um ENORME ponto negativo pra história. Infelizmente, a autora não soube usar os clichês. A história chega a ser irritante em um certo ponto, e algumas atitudes dos personagens são tão " incoerentes" que você para a leitura e diz pra si mesma " Isso é sério?". 

Jullie é descrita como uma garota de 28 anos, mas age como um adolescente todo o tempo. Não dá pra levar ela a sério em nenhum momento. Se a autora tivesse alterado a idade dos personagens talvez a história tivesse uma outra visão condizente com as idades, mas nesse contexto ela saiu totalmente fora. A personagem é insegura ( ai, eu até acho ok porque apesar de muitas pessoas criticarem essa característica em personagens acredito que toda mulher seja insegura), imatura e infantil. Eu tive vontade de sacudi-la em algum momento e falar " Para com isso, garota". A personagem está beirando aos 30 anos e age como se não tivesse tido nenhum homem na vida. Daniel também não conseguiu me convencer. Uma hora quer, outra não quer. Não ficou bem entendido se ele realmente já gostava dela ou se ele só prestou atenção porque viu a menina arrumada e com roupas mais provocantes no palco. Foi o desejo ou foi sentimento? Eu apostaria no tesão. O cara vai lá e beija a menina do nada, dá uns amassos nela e ai finge que nada aconteceu. A menina fica brava e decide bolar um plano pra conquista-lo. Com a ajuda de George, um amigo gay que o tempo todo me pareceu forçado. Meu deus. 






Enquanto eu li as cenas de George, ficava pensando no quanto a autora queria que ele se destacasse e soasse engraçado, mas a repetição de frases, palavras e outras ações era tão grande que tudo soava desconexo. O uso excessivo de palavras como " garotinha" ou frases " conta pro TIO GEORGE (???) " me fizeram revirar os olhos durante a história. Deu pra sentir que o personagem estava se forçando pra ser cativante. Em algumas cenas George até fala algumas conversas sobre Daniel e faz comentários um pouco mais voltados pro lado sexy e Jullie fica o tempo todo falando " GEORGE PARA" "AI MEU DEUS". Parecia de novo que ela era uma garotinha adolescente que estava se apaixonando pela primeira vez pelo melhor amigo. Eles bolam um plano pra deixar Daniel com ciúme ( isso mesmo UM PLANO). E qual é o plano? Combinar com o guitarrista da banda que Jullie estava cantando que ele fingiria ser namorado dela. O cara já dava em cima da Jullie falando coisas meio do nada, querendo soar extremamente pegador, chegando demais na menina com direito até a lambidas no pescoço do nada e que não são nem tidas como desconfortável para Jullie, que acha aquilo super normal. Não sei se sou eu, mas o cara poderia ser o mais gato de todos e se desse uma lambida no meu pescoço sem que eu quisesse ou estivesse retribuindo o flerte seria INADMISSÍVEL. E outra o PLANO tem como acordo dar de presente uma guitarra nova pro cara que é paga pelo GEORGE(??). 

Ai o plano funciona, o Daniel fica com ciúme, chama a menina pra se encontrar e conhecer faz um monte de coisas românticas. Mas vocês acham que essa ideia de vir e fazer isso foi ideia do cara? Não. Quando ele fica sabendo do namoro FAKE com o Alan(o guitarrista) o cara fica mal por alguns dias, e ai vem aquela forçada básica da autora, falando que ele fica sem comer,sem barba por fazer, abatido (na narrativa soou muito forçado) e ai vem um amigo e traça também " UM PLANO" pra ele conquistar a Jullie. A essa altura, se você não tem paciência pode ser que queira deixar o livro de lado. Depois disso, temos Jullie encerrando o namoro fake pra ficar com Daniel. Cenas hots, um pouco de romance de Daniel. Imaturidade da Jullie. Brigas. Ações Incoerentes. Eles voltam novamente. Ela diz eu te amo. Ele não diz e entra em pânico. Ela se revolta e se afasta do nada. Ele fica lá todo mal e tem que DE NOVO planejar algo estupendo pra que a tal garota volte.

Vocês devem estar pensando que pelo modo que escrevi eu odiei o livro. Não, eu não odiei. A autora tentou seguir uma fórmula que dá certo em alguns livro que li, uma história rápida com doses de sexo, romance e que prenda o leitor. Um exemplo disso são os livros da Abbi Glines. Livros que não tem nada demais, são clichês mas são bem elaborados com os elementos que usam. Aqui, tem muitos elementos errados.






 A autora não se aprofunda em nada, a história muda e corre muito rápido. Tão rápido que você fica pensando como aquilo aconteceu tão depressa. Faltou um planejamento melhor. Faltou dar atenção para os personagens e explora-los melhor. Faltou coerência no enredo que ficou sem estrutura com personagens que soaram escassos e sem profundidade. Tem muita repetição de palavras, frases sem nenhum sentido de estarem ali, diálogos que não precisavam estar na história. É um livro que você consegue ler rápido por que a escrita já te leva a isso, mas ele não te envolve. Pra falar a verdade, a sinopse foi mais elaborada do que a própria história porque não é nada do que parece ser ali. 

Poderia ter sido uma história bem melhor, mas ela é cheia de erros, coisas bem bobas que poderiam ter sido mais trabalhadas se a autora não se focasse tanto em apressar a história, forçar cenas e personagens e deixar buracos em diversos momentos. Nem as cenas hots foram tão bacanas assim. É uma pena, e como eu disse pra vocês precisava dizer TUDO que senti com esse livro, mesmo sabendo que é difícil pra mim que também escrevo. Conheço a autora e aprecio seus trabalhos e sua carreira, mas ESSE livro não funcionou. Ainda tenho mais 3 leituras da mesma série pela frente e tudo que espero é que ela tenha melhorado e trazido algo mais proveitoso. 




Atenção: esse livro contém altas doses de romance, situações hilárias, garotos sensuais e o best friend gay mais maravilhoso de todos os tempos...

Julie tem dois grandes sonhos: cantar profissionalmente e fazer com que Daniel a enxergue como mulher. Ele é o charmoso dono do badalado bar After Dark e se diz avesso a compromissos, sempre pronto para noitadas casuais. Em uma noite de muito movimento, o estabelecimento se vê sem um vocalista para dar continuidade à programação musical, e Julie é colocada por um dos sócios de Daniel à frente da banda para resolver o problema.

Mas a voz e a presença de palco da nova cantora encantam o público... e também o atraente garanhão. Descontrolado de ciúmes, Daniel está disposto a usar toda a sua autoridade para tirar Julie dos holofotes e dar uma chance ao seu verdadeiro amor. Ele só não contava com as investidas insistentes de Alan, o sexy guitarrista da banda, que resolveu fazer de tudo para conquistar o coração da nossa mocinha.

Será que o sonho de Julie finalmente vai se concretizar com Daniel ou seu verdadeiro príncipe encantado é o guitarrista sensual?



Em busca de um lugar

Toda vez que eu fecho os olhos imagino algum lugar calmo que eu não sei nem onde fica. Um lugar onde eu possa inspirar e respirar sem todo peso que me consome agora. Sem toda a pressão que sinto quase todos os dias. Nesse lugar, eu poderia sentar perto do mar e sentir a areia nos meus pés. Poderia só ouvir o barulho das ondas e observar cada movimento. Poderia sentir o vento em meu rosto deixando que as lágrimas levassem o que ainda resta. Eu me esqueceria de todas as coisas ao meu redor. Me esqueceria das pessoas que levaram um pouco de mim conforme passaram na minha vida. Me esqueceria das marcas que foram deixadas durante alguns momentos.Dizem que você escolhe o caminho que percorre e recolhe os frutos das sementes que planta, mas e se essas sementes simplesmente não crescessem? 

Se você tivesse plantado, cuidado e regado essas sementinhas com todo cuidado mas elas simplesmente não mudassem? A culpa ainda seria minha? Quantas vezes você precisa tentar para que as coisas pareçam dar certo? Eu me faço essas perguntas tantas vezes que até me assusta. Certa vez desabafei em alguma rede social que as coisas não são tão perfeitas e felizes como as pessoas fazem questão de dizer. E me disseram que as pessoas não querem saber de mais tristeza. Então a verdade é que temos que fingir estarmos felizes e não desabafar por que as pessoas não gostam disso? Ou soa deprimente demais? 



Ruas sem saídas e avenidas sem movimento. Pessoas que mudam. Pessoas que vem e pessoas que vão em um piscar de olhos. As vezes eu queria dar um salto na minha vida. Poder enxergar lá na frente como as coisas seriam. Poder ler os pensamentos das pessoas. Talvez assim eu pudesse entender melhor e lidar melhor com as coisas que acontecem comigo ao meu redor. Percebi que eu nem faço ideia direito de quem sou na verdade. Percebi que ainda estou tentar procurar um lugar, um lugar no qual eu consiga pertencer e não me sentir tão deslocada como me sinto agora. Um lugar onde eu possa sorrir tanto que eu canse disso. Mas que eu possa sorrir de verdade. E não aquele sorriso que eu dou quando quero chorar porque me disseram que é assim que se segue em frente e que se vive cada dia e continua tentando. 

Quero poucas coisas na verdade. Quero sentar em algum lugar e sorrir. Quero um pouco de paz e alguém segurando minha mão.Posso jogar todos esses pensamentos pelo vento e deixa-lo levar para bem longe de mim. Acredito que eu só espero que as coisas mudem de alguma forma, que alguma coisa aconteça seja ela pequena ou grande. Eu só respiro e ainda estou tentando encontrar meu lugar em um monte de rostos que nem consigo identificar. Acho que eu só quero pertencer. Só quero me sentir em paz. Só quero saber o que me espera lá na frente. 

05 motivos para você amar a Valentina Muniz

Se você tem alguma rede social ativa tenho certeza que já deve ter se deparado com algum vídeo dessa fofuxa que encanta cada vez mais pessoas. Não sabe quem é essa linda? Calma, que eu te apresento. Valentina Santos Muniz é uma garotinha de apenas 2 anos e que está encantando a web. A fofa é filha do humorista Ceará ( que ficou muito conhecido por fazer parte do programa Pânico) e da Mirella Santos ( modelo e ex-participante da Fazenda). Essa fofura vem ganhando destaque com seus vídeos espontâneos, cheios de simpatia e esbanjando carisma e inteligência. A menina é tão inteligente que chega a surpreender. A maioria dos vídeos é companhia do pai que a estimula MUITO a se soltar e da mãe que adora ver a menina em ação. Valentina tem mais de 2 milhões de seguidores só no Instagram com apenas 2 aninhos. Perto de fazer 3 anos, seus vídeos vira e mexe viralizam na web dando milhões de visualizações e compartilhamentos fazendo da menininha um fenômeno de fofura. Que tal você saber 05 motivos para amar essa linda e de quebra ainda se encantar mais. Olha, tem dias que a Valentina salva meu dia. Dou muita risada, fico boba e assisto seus vídeos mais de uma vez. Sou fã mesmo.
1) Ela nos representa nas situações da vida
Um dos vídeos que viralizou recentemente dessa fofa foi um episódio em que ela ganha uma boneca que queria muito. A garota aparece muito feliz, agradecendo várias vezes a mãe pelo brinquedo, soltando expressões engraçadas e é claro protagonizando uma das cenas mais bacanas de se ver. Uma irritação hilária e sem paciência pra cuidar da boneca que fala demais com ela. HAHAHHA . É pra gargalhar e se identificar. Nos representando quando não temos paciência com aquela pessoa que fala toda hora a mesma coisa. 
2) Ela é pura inteligência e carisma 

Ela presta atenção em tudo que ouve, absorve as coisas muito rápido e demonstra com apenas 2 aninhos que é muito mais inteligente que muita gente por ai. 

Uma publicação compartilhada por Ceará Wellington Muniz (@oceara) em
3) Ela é a rainha das imitações 

Com um pai humorista e observadora de tudo, Valentina já demonstra sinais de talento. Seria ela uma artista desde pequena? Imitando personagens clássicos do pai como Silvio Santos, Gabi Herpes e Narcisa a lindinha arranca sorrisos e é claro simpatia.
Uma publicação compartilhada por Ceará Wellington Muniz (@oceara) em
4) Ela é  das nossa e se diverte muito em TODAS AS OCASIÕES 

Se tem uma coisa que a Valentina sabe fazer é se divertir. Quando está com o pai junto, a garota entra na onda da brincadeira e da diversão zoando muito e rindo a beça. Isso quando não protagoniza suas cenas sozinha.

Uma publicação compartilhada por Ceará Wellington Muniz (@oceara) em
5) Ela esbanja fofura até nos comerciais

Recentemente os pais da Valentina e a fofa protagonizaram alguns vídeos de publicidade para a marca Netshoes com campanha para o Dia dos Pais e mais uma vez a Valentina roubou muitas cenas. Demonstrando espontaneidade, a garotinha brilhou muito e encantou mostrando que tem mesmo jeito pra coisa. Dá gosto de assistir o comercial e olha que eu nem gosto muito. HAHAHAH. Duvido você não querer em algum momento abraçar a Valentina.

Eu assisti: Ted Bundy A irresistível face do mal

Filme: Ted Bundy A Irrestível Face do Mal
Título Original: Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile
Duração: 1 hora e 50 minutos
Gênero: Suspense, Drama, Biografia
Lançamento: Julho de 2019
Distribuidora: Paris Filmes/ Netflix
Nota : 3 de 5
Baseado no livro The Phantom Prince: my Life with Ted Bundy

Se você curte criminologia ou já foi parar em algum vídeo sobre o assunto, com certeza ouviu falar desse nome: TED BUNDY. Ted foi o primeiro serial killer dos EUA, quando nem ao menos o FBI sabia que teria esse nome lá na década de 1970. Acusado e condenado por vários crimes, estima-se que o mesmo tenha matado e estuprado cerca de 35 mulheres que eles tem conhecimento. Alguns estudiosos, acreditam que o número tenha sido bem maior.
Ted foi condenado a pena de morte na cadeira elétrica em 1989. Neste filme, vemos parte da história de Ted porém sobre a visão de uma pessoa importante pra história, Elizabeth Kloepfer que foi sua namorada por um bom tempo e acredita-se que foi também o amor de Ted.  Apesar de haver vários documentários, filmes e reportagens sobre os atos do seriak killer, sobre sua vida, infância e motivação esse filme destaca-se por querer abordar o lado das pessoas influenciadas pelo rapaz que era extremamente inteligente, cativante, charmoso e arrogante. O típico cara que você não desconfiaria que estaria por trás dos crimes. Neste filme, acompanhamos como foi para a namorada ( Lilly Collins) descobrir que o cara por qual ela se apaixonou perdidamente é um assassino cruel nas horas que ele não estava com ela. Elizabeth começou a desconfirar depois de algumas notícias saírem, mas Bundy era persuassivo então a convencia de que não era culpado e se declarou assim até que não teve saída. Vi e li muitas críticas a esse filme alguns disseram que o diretor optou por não mostrar os crimes de TED e nem focar nele e o mesmo ficou evasivo ( eu achei coerente) outros disseram que o filme glamurizava o serial killer. 


Mas é bom?

Eu achei o filme bom para a proposta que se quis passar. Lembrando aqui pra vocês que o filme não era focado no TED.  Então não fazia sentido focar nos crimes do mesmo sendo que o longa poderia se perder e talvez acabar se tornando mais do mesmo que já tinhamos visto. Aqui o diretor quer mostrar a influencia do TED sobre as pessoas a sua volta e como suas atitudes tiveram consequências na vida dessas pessoas principalmente de Elizabeth. Eu achei interessante o modo que o mesmo quis abordar o roteiro. Não concordo com nenhuma das crítiucas com relação a glamurização, e isso se deve ao fato de o personagem ser extremamente cativante e charmoso como parte de sua personalidade para tentar se livrar das acusações. No filme, acompanhamos os julgamentos do TED pelos crimes que iam acontecendo, sua prisão e sua fuga. Sim, houve uma fuga. Na verdade duas. Durante o longa, o diretor também insere cenas reais do TED e do julgamento. Em dos momentos do filme, podemos ver a atriz Lilly Collins segurando a foto real de Elizabeth e Ted juntos. 

Quando ela assiste na tv o julgamento, podemos ver de relance o TED real na TV. Eu gostei da forma que o filme foi apresentado e principalmente AMEI a escolha do elenco. O Zac Efron está incrível no papel e disse ter estudado muito e visto muitas entrevistas para incorporar o papel. Ele nem parece aquele menininho de franja de High School Musical. Aqui a gente consegue ver o talento dele e como é um ótimo ator. A semelhança do diretor com as cenas reais de entrevistas do ted, vestuário e trejeitos é impressionante. Eu fiquei bem impressionada. Lilly Collins conseguiu entregar algo muito bom de se apreciar na tela e se comovemos com seu sofrimento por querer acreditar que Ted era inocente como se dizia mas no fundo algo lhe dizer que tinha algo errado. Vale ressaltar que esse filme também tem a participação de Jim parson como parte da acusação no tribunal. Eu acho o Jim parsons brilhante mas nesse filme vemos que ele não consegue ainda se desvincular do papel que o fez famoso ( sheldon de the big bang theory). O jeito continua o mesmo, a linguagem o que muda aqui é que vemos um Sheldon sério. E só. Ele não acrescenta nada pro papel e é triste dizer que nem pro filme. É um filme bom para se apreciar se você não conhece nada sobre o Ted bundy e que vai te fazer perguntar se ele era realmente culpado devido a grande atuação e charme que o mesmo utilizava para manipular as pessoas. Eu recomendo mesmo.






 Cinebiografia de Ted Bundy (Zac Efron), serial killer que matou, pelo menos, 30 mulheres em sete estados norte-americanos durante a década de 1970. Bundy se tornou famoso em todo o país, em parte por causa da fama de sedutor, que levou a conquistar várias fãs, e em parte por ter efetuado sua própria defesa nos tribunais. A trajetória do psicopata é contada pelo ponto das mulheres que amou: Liz Kendall (Lily Collins), com quem se casou, e Carole Ann Boone (Kaya Scodelario), amante que o apoiou durante o longo julgamento nos tribunais.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Voando Sozinha | Cybelle Santos © Todos os direitos reservados.